• Mateus Lamari

Osteoporose e Fisioterapia

Os ossos são formados por uma matriz que recebe complexos minerais compostos de cálcio. Em constante processo de renovação, com o passar dos anos, a absorção de células ‘velhas’ aumenta e a formação de novas células ósseas diminui, predispondo a osteopenia e osteoporose. Resumindo, os ossos não se renovam como deveriam, tornam-se fracos e finos, aumentando sua fragilidade.


No caso de perdas de massa óssea mais suave, a condição é chamada de osteopenia. Já as perdas maiores são decorrentes da osteoporose e podem ser responsáveis por fraturas, em alguns casos, consequência de pequenos impactos. As fraturas mais evidenciadas são nas costelas, no fêmur e no punho.

A perda da independência funcional, decorrente da incapacidade de deambular, é a principal consequência da fratura de quadril, seja por limitação funcional ou por medo de quedas. A inatividade física leva à piora da osteoporose e aumenta ainda mais os riscos de quedas e novas fraturas.


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 1/3 das mulheres brancas acima de 65 anos são portadoras da osteoporose. Estudos epidemiológicos realizados nos EUA revelaram que 70% das fraturas na população com idade de 45 anos ou mais são atribuídas a osteoporose. Aos 80 anos 1 entre 3 mulheres e 1 entre 6 homens apresentarão fratura de quadril.


A atividade física ou a prática regular de exercícios físicos influenciam a manutenção das atividades normais ósseas, e por este motivo a Fisioterapia vem sendo indicada no tratamento da osteoporose, com intensidade, frequência e duração dos exercícios utilizados com bases individuais e específicas.


E quais são os fatores de risco?


Entre os principais fatores de risco estão:


– Histórico familiar de osteoporose

– Envelhecimento

– Dieta pobre em cálcio e vitamina D

– Baixo peso corporal

– Sedentarismo

– Abuso de álcool

– Tabagismo

– Menopausa

– Uso abusivo de remédios à base de corticoides

– Diabetes

– Disfunções na tireoide

– Baixa exposição ao sol


Principais sintomas da osteoporose

A doença, na maioria das vezes, se apresenta de forma silenciosa até se manifestar com alguma fratura espontânea de um osso que ficou poroso e muito fraco, a ponto de não suportar nenhum trauma ou esforço por menor que sejam, ou sintomas de acordo com o seu avanço, podendo incluir:


· Dores na região lombar ou cervical, em virtude das fraturas dos ossos da coluna vertebral;

· Fraturas proximais do fêmur, punho e costelas;

· Postura alterada (curvada ou cifótica) com a consequente redução de estatura ao longo do tempo;

· Sensibilidade óssea e dor relacionada ao local de fratura.

Como se prevenir?

Um dos elementos fundamentais para garantir a saúde dos ossos é a prática regular de atividade física desde cedo, o que permite alcançar o pico de massa óssea. Exercícios como caminhada, atividades aeróbicas e também com carga contribuem para aumentar um pouco esse índice, que se mantém com a continuidade das atividades, além de reduzir a chance de quedas.


Tomar sol é parte importante no processo de prevenção da doença. Os raios solares são necessários para a produção de vitamina D, substância fundamental na manutenção de um esqueleto saudável. A exposição à luz solar nos horários adequados – pela manhã e ao final da tarde – pode fazer a diferença na produção óssea.

Hábitos de vida saudáveis, adotando uma dieta com alimentos ricos em cálcio e vitamina D, evitar o fumo e o álcool, além de se manter no peso ideal, também ajudam.

O tratamento para a osteoporose


É importante que a osteoporose seja diagnosticada precocemente. Cada caso deve ser avaliado de forma criteriosa e o tratamento válido deve envolver o acompanhamento de vários profissionais, dentre eles o Fisioterapeuta, com o objetivo de deter a fragilidade e, quando possível, recompor a massa óssea.

O papel da Fisioterapia no tratamento e prevenção


Benefícios: A fim de melhorar a qualidade de vida do paciente com osteoporose, a Fisioterapia oferece um trabalho de fortalecimento de músculos, que ajuda na prevenção das possíveis deformidades e fraturas ósseas, além de outras complicações; ajuda na melhora da coordenação e do equilíbrio do paciente (indispensáveis para prevenção de quedas).


Como é realizado: Durante as sessões de Fisioterapia (que, dependendo do caso, podem ser realizadas na clínica especializada ou em domicílio), o profissional irá trabalhar de maneira personalizada, ou seja, adaptar cada exercício às necessidades individuais de cada paciente e aos sintomas que ele apresentar. Exercícios de alongamento, de fortalecimento muscular, de coordenação e equilíbrio, além de outros como Pilates e caminhada devem ser realizados sempre com a supervisão do Fisioterapeuta e, uma vez realizado com a devida cautela, podem contribuir, significativamente, para retardar a perda da massa óssea que ocorre com a inatividade e melhorar a força e o equilíbrio do paciente com osteoporose.


Duração do tratamento: O tempo de tratamento com a Fisioterapia vai depender do quadro do paciente. Na verdade, a quantidade de sessões é que podem ser reduzidas, mas é sempre importante que o paciente dê continuidade aos exercícios que o Fisioterapeuta orientar, até mesmo em casa. Vale ressaltar ainda que a Fisioterapia não exclui a necessidade de uma alimentação saudável e rica em cálcio e vitamina D, além de possíveis medicamentos e exposição ao sol, se o paciente não tiver nenhuma contra indicação para isso.


MAS ATENÇÃO!


Lembre-se da individualidade biológica! Para saber o nível de atividade física, volume de treino, tipo de exercícios, duração, entre outros fatores, entre em contato conosco.


Instagram

Facebook

Youtube

Spotify

Obrigado!

4.133 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
001.png